Planner do GTD para imprimir (oficial)

No site oficial do GTD, existem muitos materiais bacanas para quem quiser se organizar. Todo ano, eles lançam um planner em papel, em PDF, para compra e download, para quem quiser usar as listas do GTD em formato de papel.

O planner 2018 tem uma imagem lindíssima na capa e contém os seguintes itens:

  • Notas / Entrada
  • Calendário 2018 no formato adaptado para o GTD
  • Listas de Próximas Ações
  • Lista de Projetos
  • Seção para suporte a projetos
  • Listas de Algum Dia / Talvez
  • Suporte a horizontes mais elevados (foco e direção)
  • Páginas de Referência
  • Páginas de Contatos
  • Páginas extras

São 284 páginas no total, que podem ser impressas ou usadas no computador (PDF editável).

Você pode comprar o planner no formato Júnior ou Carta. Veja um modelo das páginas aqui.

Para verificar os modelos ou comprar os planners, acesse este link.

Boa opção para quem gosta de organizar o GTD no papel.

Eu já comprei esse planner uma vez para conhecer e fica realmente muito bacana em um fichário. E, se você comprar uma vez, nos outros anos pode comprar apenas o arquivo com o calendário atualizado para o ano em questão (que a DAC também disponibiliza).

Papel x tecnologia no GTD

Uma pergunta muito comum que surge quando uma pessoa começa a utilizar o método GTD é sobre que ferramentas escolher, e sempre surge a dúvida sobre usar ferramentas em papel ou digitais.

É importante dizer que o David Allen não prega nem uma coisa nem outra. Os sistemas do GTD são híbridos em sua essência, porque de qualquer maneira você terá que administrar e-mails (digital), documentos (impressos) e outras coisas que podem aparecer em ambos os formatos.

Portanto, não se preocupe em ser totalmente digital ou totalmente analógico, que é uma questão sem resposta.

O que você precisa, de fato, é entender como a metodologia funciona mas, essencialmente, como VOCÊ funciona para determinadas coisas. Para aí sim escolher as ferramentas que mais combinem com você para aquelas categorias específicas DENTRO do método GTD.

Vou falar um pouco sobre mim, pois exemplos podem ajudar.

Eu adoro papel. Muito. Porém, eu percebi que usar uma agenda de papel para ser meu CALENDÁRIO no GTD me atrapalhava muito. Por quê? Porque gosto da mobilidade das informações no digital. Gosto de alternar a visualização entre dia, semana, mês, ano. Gosto de mover os compromissos com facilidade. Gosto de criar um evento com recorrência e não precisar mais me preocupar com aquilo. Gosto de inserir informações no campo de “notas” do evento em si. Gosto muito de ter acesso instantâneo à minha agenda pelo meu celular, quando preciso consultá-la para dar uma resposta a alguém. Além de muitos outros recursos. (uso a Agenda do Google)

Para as minhas LISTAS, por exemplo, já tentei usar papel também. E até funciona bem. Porém, o copy & paste do digital é uma funcionalidade que traz muita praticidade para a minha vida, e que uso muito. Além disso, gosto de usar uma ferramenta que eu possa acessar tanto no meu computador quanto no meu celular. E, se precisar imprimir, sem problemas, eu imprimo. Mas eu não posso usar uma ferramenta que funcione apenas quando eu estiver online, pois me permito muitos momentos offline – não só porque quero, mas porque muitas vezes estou realmente sem acesso e aproveito esse tempo justamente para fazer algumas coisas que, sem acesso às minhas listas, eu não saberia que teria que fazer. (uso o Evernote)

Agora, para que eu gosto de usar papel? Essencialmente, para planejamentos. Fazer um mapa mental, escrever sobre o propósito, a visão do projeto, listar coisas, fazer brainstorms, desenhos, rabiscos. E, como uso o Evernote, posso muito facilmente digitalizar tudo e ter ao meu acesso quando quiser.

Eu também gosto de agendas de papel para planejamentos diversos que envolvam datas, como planejamentos de aulas, cursos, conteúdos. Antes de passar para a agenda “original” (no Google), eu planejo no papel até chegar a uma versão “final” legal. E não tem jeito – penso melhor usando papel, escrevendo e desenhando.

Também tenho sempre comigo um caderno de notas pequeno, para anotações diversas (CAPTURA), e um caderno um pouco maior, onde anoto referências (REFERÊNCIA): frases que ouvi, aprendizados etc. Também cadernos que uso para trabalhos diversos, como um caderno para anotações das sessões de coaching e consultoria que realizo e outro caderno para redigir scripts de aulas e vídeos.

Enfim, não se trata de ver papel “versus” tecnologia, e sim como a gente pode fazer bom uso das melhores ferramentas que se adequam a quem nós somos, e isso inevitavelmente vai trazer um kit de ferramentas diferente para cada um de nós.

Espero que este texto tenha esclarecido essa dúvida. 🙂

Siga nosso canal no YouTube ->